images (6)

Portugal deve apoiar a criação de emprego dos trabalhadores com baixas qualificações, combinando reformas direcionadas para estas pessoas com uma “política de salário mínimo prudente”, segundo um relatório assinado pelo chefe da missão do FMI no país.

Subir Lall, chefe da missão do Fundo Monetário Internacional (FMI), assinou um relatório juntamente com outros dois economistas da instituição, Dmitry Gershenson e Albert Jaeger, intitulado “Da crise à convergência: traçar um rumo para Portugal”.

No documento, os três economistas olham para o que Portugal alcançou durante o resgate financeiro e indicam o que consideram que o país deve fazer a seguir para ultrapassar os desafios que ainda enfrenta. Este relatório não representa necessariamente a visão do Conselho de Administração do FMI.

Os economistas escrevem que “a estabilização financeira da economia portuguesa deixou um legado de um grande desfasamento no mercado de trabalho, especialmente entre os trabalhadores menos qualificados”, enfatizando que “cerca de 20% dos recursos de trabalho disponíveis estavam desempregados, subempregados ou desencorajados de procurar ativamente emprego”.

Se a este valor for acrescentada a estimativa dos migrantes que deixaram o país para trabalhar fora por um período superior a 12 meses, então, entre 2008 e 2013, esta taxa seria superior em 1,7 pontos percentuais.

Os economistas referem que, quando eclodiu a crise no início de 2011, “o programa de ajustamento restaurou o equilíbrio externo, ao mesmo tempo que abriu um grande desequilíbrio interno”.

Lall, Gershenson e Jaeger traçam uma série de soluções que consideram que Portugal deve seguir para recuperar o equilíbrio interno “sem reabrir desequilíbrios externos”.

De acordo com os analistas, o risco de pobreza em Portugal “parece estar fortemente associado ao estado do mercado de trabalho”, aumentando este risco com o crescimento do desemprego. Além disso, o risco de pobreza parece também estar relacionado com o número de crianças em cada família.

Os economistas referem que há “uma ligação fraca entre os salários mínimos e a pobreza” mas que a atribuição de créditos fiscais a pessoas de baixos rendimentos “tende a ser mais eficiente a reduzir a pobreza do que o aumento dos salários mínimos”.

No relatório, lê-se que o debate público em Portugal em torno do salário mínimo “é normalmente enquadrado como um assunto de rendimento mínimo”, tendo a criação de emprego assumindo um lugar secundário, sendo o plano atual aumentar o salário mínimo real em linha com os aumentos totais da produtividade.

“No entanto, os aumentos da produtividade total podem divergir da produtividade dos trabalhadores com baixas qualificações”, argumentam, defendendo que “uma abordagem mais prudente” passaria por “atualizar o salário mínimo regularmente face à inflação, decidindo aumentos reais dentro de poucos anos ou com base num estudo aprofundado das tendências do emprego e da produtividade dos trabalhadores com baixas qualificações”.

Além disso, também defendem que esta abordagem poderia incluir o recurso de créditos fiscais a agregados de baixos rendimentos como instrumento de combate à pobreza, uma vez que, apesar de terem dificuldades de implementação em Portugal, por terem de ser “acomodados num envelope orçamental apertado”, são “mais eficientes” do que o salário mínimo.

Isto porque, por um lado, estes créditos fiscais “reduzem o risco de aumentar o salário mínimo para níveis em que o prémio de qualificações para os trabalhadores menos qualificados é comprimido até um ponto em que sejam substituídos por capital ou por trabalhadores mais qualificados” e, por outro lado, porque “podem ser direcionados para pessoas com baixos rendimentos que estão particularmente em risco de pobreza, por exemplo, para famílias com muitos filhos”.

No entanto, os economistas esclarecem que esta solução “não exclui que o salário mínimo possa ser combinado com uma política de créditos fiscais”, sugerindo que a política de salário mínimo se preocupe em “minimizar os efeitos adversos” desta remuneração nos “trabalhadores menos qualificados” e que os créditos fiscais sejam usados para “reduzir a pobreza em grupos que estejam particularmente em risco”.

Quanto à necessidade de melhorar as competências de gestão dos cargos executivos das empresas, Lall e a equipa do FMI consideram que Portugal deve atrair investimento direto estrangeiro para setores exportadores, aumentar a concorrência nos mercados de produto e alargar e aprofundar os programas de promoção de competências de gestão que já existem.

Relativamente ao diálogo social, que pedem que sejam “mais inclusivo e transparente”, os economistas sugerem que se “alargue a participação no atual fórum dos parceiros sociais, por exemplo, encontrando uma forma de dar uma voz mais efetiva aos trabalhadores desempregados, de baixas qualificações e jovens, mas também que se publique “mais informação” sobre os membros e o financiamento das associações que integram a concertação social.

Fonte: Diário de Notícias – Portugal